Encontro com o poeta Enrico Testa

27/06/2019 13:34
Dentro das atividades das Quarta Italianas, projeto realizado em parceria com a Biblioteca de Arte e Cultura do CIC, foi realizado no dia 28 de agosto o encontro de leitura e debate com o poeta italiano Enrico Testa (Genova, 1956).
Foram lidos alguns poemas inéditos publicados pela primeira vez em Jardim de Sarças da Editora carioca 7Letras.
Assista o video  realizado por Alexandre Manoel Nascimento fruto do encontro.]
Essa também foi uma ocasião para se falar do livro de crítica dedicado ao personagem do romance, Heróis e figurantes, editado pela Rafael Copetti Editor.

Intrigante e surpreendente leitura do personagem no romance é essa oferecida pelo crítico e poeta italiano Enrico Testa, por meio de uma ampla incursão em
alguns textos literários que marcaram o século XX. Não se trata de mais uma definição teórica da categoria do personagem, mas sim de uma atenta experiência de leitura e reflexão que é compartilhada com o leitor.

Com inteligência e argúcia, de forma criteriosa e com uma precisão única, Testa apresenta nos curtos e intensos capítulos desse volume uma hipótese interpretativa inovadora ao identificar duas tipologias: a primeira caracterizada pelo personagem absoluto, aquele que não sofre evolução ou mudança ao longo do romance, vivendo imerso em sua subjetividade e podendo ser autor de grandes monólogos — são eles os heróis, providos de uma exagerada subjetividade; a segunda que
tem como referência o personagem relativo, cujo perfil é dado pelas circunstâncias e vivências, enfim, pelo contexto relacional. Nesse último caso, a forma dialógica, como espaço de troca entre as esferas dentro-fora e singular-plural, é preponderante. São eles os figurantes, que não abrem mão de uma identidade, mas expandem e dissolvem o espaço da subjetividade, colocando-a diante de uma radical exposição ao outro. A dinâmica das relações humanas, com todas as suas contradições e tensões, está no centro da reflexão crítica de Enrico Testa, que não pode deixar de chamar a atenção para questões morais e éticas. As leituras de Woolf, Bernhard, Kafka, Ishiguro, McEwan, Yehoshua, Saramago, Roth, Marías, Auster, DeLillo, Coetzee, Grossman, dentre outros, trazem, justamente, como mote a natureza ética das relações humanas.

Essa não é a primeira vez que Enrico Testa trata do personagem, da “voz” ou “vozes” desencadeadas pelo texto literário. Na verdade, esse parece ser um dos eixos de suas reflexões como crítico (tanto de narrativa quanto de poesia) e também como poeta. De fato, muitas das colocações desenvolvidas nessas páginas encontram consonâncias em seu laboratório poético, como pode ser visto nos já traduzidos Ablativo(2014), Páscoa de neve (2016), Jardim de sarças (2019) e no volume crítico Cinzas do século XX: três lições de poesia italiana (2016).